terça-feira, 2 de março de 2010

"Quem criou a Trindade?"


Por: Edson Moura

Como sempre, antes de iniciar meus textos, gostaria de deixar alguns pontos bem claros aos leitores: O que está em questão aqui, não é a filiação divina de Jesus, e sim a doutrina da trindade, no meu entender, criada por homens. A Bíblia é a palavra de Deus. O veículo por meio do qual Deus se comunica e inspira os homens através de Seus ditos, Seus costumes e Seus mandamentos. Estariam os trinitarianos, portanto, incorrendo na transgressão do primeiro mandamento?

Outro ponto de suma importância, e que devo salientar, é que: Não pretendo ofender ninguém com este artigo. Apenas gosto de pensar um pouco além das paredes da religião oficial, e com isso, tentar esclarecer questões a tanto tempo “engessadas”. Para os cristãos de hoje, a “Santíssima Trindade” não pode ser derrubada pela Ciência (com suas provas e pesquisas), pela História dos Concílios (com seus registros e evidências) e muito menos com o exame racional do tema (como já tentamos fazer em alguns comentários em salas de pensamentos). Então, recorro ao único veículo ainda aceito pelos cristãos e que, pode definitivamente, trazer clareza às nossas idéias, ou seja, as Escrituras sagradas ou Bíblia. (raramente uso a Bíblia para sustentar meus argumentos, mas neste caso específico, ela é de extrema necessidade, tendo em vista que fora à partir dela, que se criou a doutrina em qual vamos declinar nossos pensamentos).

Na história da religião cristã, a Trindade é realmente formada por três pessoas: Tertuliano (o inventor) Atanásio (o defensor) e Constantino (quem decretou). Mas vou deixar os fatos históricos de lado, pois os mesmos já são de conhecimento mais do que suficiente para todos (assim espero). Existem estudos claros e transparentes com base exclusivamente nas Escrituras e os mesmos deixam nitidamente esclarecidos a inexistência de uma Trindade na Divindade.

João 17:3 – E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.(grifo meu) Muitos debates têm sido travados e todos afirmam ter base bíblica para defender suas idéias. Uns entendem que a divindade é composta por três Deuses (o Deus-Pai, o Deus-Filho e o Deus-Espírito Santo) que são autônomos, mas que agem em cooperação. Outros afirmam que há apenas um Deus que se manifesta de três formas diferentes, mas é o mesmo Ser, uma única pessoa. Há ainda quem defenda que há um só Deus composto por três pessoas divinas, co-iguais, co-eternas, co-substanciais, a “Santíssima Trindade”.

Esta última forma de crença, a mais comum, é adotada pela ICAR (Igreja Católica Apostólica Romana) e pela maioria das igrejas protestantes. Para eles, Deus não é um ser pessoal, ou seja, Deus não é uma pessoa, mas três pessoas. Não são três deuses, nem uma só pessoa, mas um Deus Composto, um Deus-Tríplice, ou Deus-Triúno. Complicado? Sim… Na interpretação dos Trinitarianos este ensino é um mistério! Por que um mistério? Como tais ensinos carecem de uma base mais sólida e contêm contradições internas de difícil conciliação, seus defensores também ensinam que há um grande mistério por trás destes fatos e que ao ser humano não é dado compreender os mistérios de Deus. (muito conveniente não acham?)

“A Santíssima Trindade é um Mistério para ser aceito, não para ser compreendido”, foi a voz de muitos sacerdotes ao longo da Idade Média e que continua ecoando nos nossos dias. Diante de tais interpretações questionáveis, muitos acabam aceitando a “doutrina do mistério” e acreditando que sua salvação não depende do pleno conhecimento de Deus, já que o mesmo é um mistério não revelado. Cristo afirmou que a vida eterna depende do conhecimento do único Deus verdadeiro e de Jesus Cristo, o enviado de Deus (conforme João 17:3). Entretanto, em nenhum lugar na Bíblia é revelado o nome do Espírito Santo, pois ele é o próprio pneuma de Deus, ou seja, um princípio espiritual que (segundo os estóicos) seria a causa da vida.

Existem várias concepções da Trindade:

Um segmento dos trinitarianos, crêem em três pessoas divinas co-iguais e co-eternas, outros admitem diferentes níveis hierárquicos e de natureza, entre Deus-Pai, Deus-Filho e Deus-Espírito Santo. Independente da crença, todos dizem ter razões bíblicas para acreditar que existem realmente três pessoas divinas e que esses três seres representariam um único Deus. Desse modo, tentam livrar-se da acusação de politeísmo.

Pois bem, tendo somente a Bíblia como critério de avaliação, consideraremos essas afirmações: Para serem co-iguais, as três diferentes pessoas da Trindade deveriam possuir idêntica autoridade e plena igualdade de poder. As Escrituras Sagradas são muito claras quanto ao fato de que Deus, o Pai, é evidentemente superior a Seu Filho.

Jesus refere-se a Deus como o “Altíssimo” na seguinte passagem: “Amai, porém, os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai, sem esperar nenhuma paga; será grande o vosso galardão, e sereis filhos do Altíssimo. Pois ele é benigno até para com os ingratos e maus”. (Lucas 6:35). Isto é, aquele que ocupa a posição mais elevada, que está isolado em nível máximo, numa condição inatingível por qualquer outro ser.

Jesus afirma explicitamente nesta outra passagem que Deus é maior que ele:  “Ouvistes que eu vos disse: vou e volto para junto de vós. Se me amásseis, alegrar-vos-íeis de que eu vá para o Pai, pois o Pai é maior do que eu”. (João 14:28)

Falas de Jesus:

“Em verdade, em verdade vos digo que o servo não é maior do que seu senhor, nem o enviado, maior do que aquele que o enviou. (João 13:16)

“O Pai, que me enviou, esse mesmo é que tem dado testemunho de mim. Jamais tendes ouvido a sua voz, nem visto a sua forma”. (João 5:37) (Deus, que enviou Jesus seu filho) é, portanto, obviamente, maior do que ele)

Também o espírito Consolador é inferior ao Pai, uma vez que também seria enviado por Ele, segundo informa Jesus:

“Mas o Consolador, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito”.(João 14:26)

Tanto Jesus fala, quanto o apóstolo Paulo confirma na carta aos Coríntios, que Deus, o Pai, é maior do que tudo e todos. Vejam:

“Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las das mãos de meu Pai”. (João 13:29)

“Porque todas as coisas sujeitou debaixo dos pés. E, quando diz que todas as coisas lhe estão sujeitas, certamente, "exclui" aquele que tudo lhe subordinou. Quando, porém, todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então, o próprio Filho também se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos”. (I Coríntios 15:27-28)

Por que será que Paulo não menciona o Espírito Santo no seguinte texto bíblico:

“Todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós também, por ele”. (I Coríntios 8:6) (Se o espírito Santo fosse realmente uma terceira e distinta pessoa divina, nada poderia justificar sua omissão)

Quando Paulo define o único Deus, ele omite qualquer referência ao Espírito Santo.

Quando Jesus cita, no Evangelho que Marcos escreveu aqueles que poderiam conhecer a data de sua volta, omite qualquer referência ao Espírito Santo. Vejam:

“Mas a respeito daquele dia ou da hora ninguém sabe; nem os anjos no céu, nem o Filho, senão o Pai”. (Marcos 13:32)

Jesus Cristo nunca é chamado “Deus Filho” (mas sim, filho de Deus) no relato bíblico. Tudo que fez e disse foi realizado por ordem e permissão do Pai, a quem ele (Jesus) mesmo se referia como “Meu Deus”.

Quem defende a Trindade afirma que a mesma é um mistério e de difícil compreensão, nisso eu tenho que concordar, uma vez que realmente é muito difícil entender algo que segundo a Bíblia não existe, uma vez que Jesus afirma claramente que ele e o Pai são um. E não que Ele, o Pai e o Espírito Santo são um, como afirmam os trinitarianos.

O problema não é a ausência do termo “Trindade” na Bíblia, mas a ausência do conceito de um Deus triúno.

Onde na Bíblia está claramente descrito o conceito de um Deus formado por três pessoas? (Se alguém puder me mostrar, ficarei grato)

Que Deus continue nos abençoando, com paciência para esperarmos por uma revelação final...enquanto isso nos console com Seu espírito.

27 comentários:

  1. Para seu conhecimento:

    O cristianismo contradiz o Judaísmo:

    A idéia cristã da trindade, quebra Deus em três seres separados: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Mateus 28:19). Compare isto com o Shemá, a base da crença judaica:

    “Ouve, ó Israel, o Eterno nosso Deus, o Senhor é UM” (Devarim 6:4). Os judeus declaram a unicidade de Deus todos os dias, escrevendo-a sobre os batentes das portas (Mezuzá), e atando-a a mão e cabeça (Tefilin – filactérios).

    Esta declaração da unicidade de Deus são as primeiras palavras que uma criança judia aprende a falar, e as últimas palavras pronunciadas antes de morrer.

    Na Lei Judaica, adorar um deus em três partes é considerado idolatria – um dos três pecados cardeais, que o judeu prefere desistir da vida a transgredir. Isto explica porque durante as Inquisições e através da História, os judeus desistiram da vida para não se converterem.
    Alguns pesquisadores ficam com os judeus de que Jesus NÃO é YHWH (Deus), ou ficam com os cristãos de que Jesus é YHWH (Deus)


    O cristianismo contradiz o Islamismo

    “Deus: Só existe um Deus verdadeiro, e seu nome é Alá. Ele é Onisciente, Todo-Poderoso e Juiz Soberano. Contudo, ele não é um Deus Pessoal. Acha-se acima do homem em todos os sentidos, não podendo ser conhecido como uma personalidade. O Islamismo ensina a unidade da essência de Deus, excluindo explicitamente a doutrina da Santíssima Trindade. Não aceita a divindade de Jesus nem o Espírito Santo. Os muçulmanos não crêem na morte e ressurreição de Jesus nem na salvação por seu intermédio.”

    Sei que esta postagem vai causar polêmica, (a primeira coisa a ser feita é nos chamarem de ateus, pois “hereges”, para mim já é até elogio).

    Responderei a todos os comentários, mas, só peço aos leitores (leitores cristãos) que se possível, não coloquem palavrões em seus comentários, pois não rejeito nenhum deles.

    Somos cristãos também irmãos...e só queremos entender um pouco mais sobre esse Deus tão “singular”, que nos foi apresentado por seu filho Jesus.

    Para os “super-crentes” da blogosfera, fica um recado:


    “Não tenham medo de rever seus conceitos sobre a literalidade da bíblia, nem sobre a “biblicidade” da trindade. Pois a verdade é que tanto um quanto outro, pode ter sofrido alterações pelas mãos daquele que eu considero o maior estrategista político da nossa história, a saber, Constantino I”

    ResponderExcluir
  2. Edinelson meu querido irmão! Fico felis por tê-lo como amigo, e também respeito as divergencias que muitos de nós temos.

    Agradeço sua participação, mesmo que sem comentário, pois para mim o que importa é sua presença...gosto muito de você cara.

    Beijão pra esposa e pro bebê!

    ResponderExcluir
  3. Meu querido Irmão Edson;

    Não se preocupe, não ligo que me chame de gordinho, pois a sua afirmação é notável e sei que você está se referindo carinhosamente à minha constituição corporal. Fico muito feliz em saber que sou seu gordinho preferido, apesar de notar que sou o único gordinho por aqui..rsrsrs

    Por falar de único, preciso comentar à respeito do deus-triunico ou seria tri-uno?.

    Admito a minha preferência por esta concepção da trindade, e ao longo da minha vida cristã, fui mergulhado no mar desta doutrina e hoje é difícil pisar em terra firme; Acho que me entende.

    De qualquer maneira, nos dias de hoje, meus pensamentos têm evoluído, portanto não quero ficar preso nas sistemáticas cartilhas da religião que procura defender e estabelecer um ponto final na discussão.

    Quero ser guiado por minha percepção no que se refere a atuação do Pai, Filho e Espírito Santo, mesmo que desta maneira minha ideia seja interpretada por muitos com produto de um romantismo poético.

    Pois é Edson é desta forma que enxergo a trindade, influenciado por minha veia poética e romântica.

    Então construo na minha mente a seguinte definição:

    Deus é o grande arquiteto e criador, o Filho é a expressão do amor do Pai para com a humanidade.

    O Espírito Santo é o élo de ligação entre Deus e o homem, o Paracletos, companheiro ajudador e orientador do homem. Interpreta diante de Deus as nossa aflições.

    Na verdade o próprio Deus nos entende sem que mencionamos se quer uma palavra.

    Acomodo-me e aceito esta idéia, pois vejo que Deus está sempre querendo se relacionar conosco de maneira que possamos compreendê-lo.

    Antes que me pergunte: Penso que a trindade são as fases e manifestações de Deus para se aproximar do homem, mais Deus é único.

    ResponderExcluir
  4. Há um só Deus verdadeiro e vivente, o Grande Criador, e há três pessoas na
    Divindade: O Pai, O Filho, e O Espírito Santo. Gênesis.1:1-27; Mateus.28:19; I João.5:7.1
    A Escritura diz: “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do
    Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” (Mt.28:19).

    A palavra trindade não aparece na Bíblia, mas isto não é motivo suficiente para descrer, na
    revelação de Deus o Pai, Deus o Filho, e Deus o Espírito Santo. A Trindade é apenas o nome da
    ciência que estuda esta revelação divina. Há um só Deus que existe como: O Pai, o Filho e o Espírito
    Santo. A palavra Trindade quer dizer três em um só.
    O mesmo ocorre com a palavra tricotomia, não existe na Bíblia. É o estudo do homem em
    suas divisões: Corpo, alma e espírito. “...e o vosso espírito, alma e corpo, sejam conservados íntegro e
    irrepreensíveis na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo”

    Dizer que não acredita na revelação de Deus em três pessoas somente porque o nome não
    aparece na Bíblia é uma ignorância aos extremos.
    Se pode crê na Trindade? De um Deus que se manifesta em três pessoas divinas? O apóstolo
    João em sua primeira epístola no capítulo dois diz que somente quem tem o espírito do anticristo é
    que nega a divindade de Deus e a divindade do Filho. Ele diz:
    “Filhinhos, já é a última hora; e como ouvistes que vem o anticristo, também agora muitos
    anticristos têm surgidos, pelo que conhecemos que é a última hora... Quem é o mentiroso
    senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? Este é o anticristo, o que nega o Pai e o Filho...
    e todo espírito que não confessa a Jesus não procede de Deus; pelo contrário, este é o
    espírito do anticristo, a respeito do qual tendes ouvido que vem, e presentemente já está no
    mundo”.

    A Trindade de Deus é um estudo longo, e não temos aqui muito espaço para fazermos um
    estudo completo. Precisaríamos elaborar um só volume sobre o assunto e mesmo assim ainda não se
    concluiria o estudo; lembre-se que se trata de um mistério.
    Há muitos pensamentos humanos e diferentes maneiras dos homens interpretarem a doutrina
    da trindade. Observa-se, na história da igreja, que já a partir do ano 150 a.D. a trindade passou a ter
    grande repercussão entre os bispos e estudiosos do cristianismo. No primeiro concílio, após a era
    apostólica, no concílio de Nicéia (325 a.D.), a questão básica foi a trindade, se Cristo era na verdade a
    mesma essência e natureza de Deus.
    Neste estudo ficamos sabendo que a Bíblia ensina a Trindade. A Trindade é Bíblica. Há um
    único Deus revelado em três pessoas distintas uma da outra. O Pai é Deus, o Filho é Deus e o Espírito
    Santo é Deus. Todavia, o Pai não é o Filho e nem o Espírito Santo; o Filho não é o Pai e nem o
    Espírito Santo; o Espírito Santo não é o Pai e nem o Filho.

    Espero ter esclarecido a minha opinião sobre a trindade.

    Hubner Braz

    ResponderExcluir
  5. Noreda

    Em primeiro lugar - e mais importante de tudo: eu não tenho o mínimo interesse de saber se Deus é "uni", "bi", "tri", ou se "é tetra, é tetra!" - a lá Galvão Bueno na Copa de 1994.

    E não estou brincando: eu sinto Deus, e nada me instiga a investigar filosoficamente a sua natureza, seu sexo, suas convicções políticas ou idelológicas. Espero com isso não estar sendo grosseiro com o autor do texto (Noreda) tampouco com os demais pensadores desta sala.

    Mas eu vou dar o meu pitaco - supostamente filosófico - para não ser (totalmente) chato com os amigos.

    Na minha opinião, é perfeitamente possível que haja sim a Trindade - versão ICAR e Protestantes - , mas não com o "argumento" do "creia e cale a boca!". Isso porque, como vocês já sabem, eu creio que possam existir outras lógicas "um pouco além" da lógica humana. Neste caso, pode ser que, em outra dimensão, com uma outra lógica, num outro espaço de tempo (sem o "tempo"???) um mesmo ser possa simultaneamente estar em vários locais, sob diferentes formas sumultaneamente.

    Aliás, isso não "cheira" ao dogma da onipresença divina? Quem crê que Deus é onipresente, não precisa questionar se a Trindade - ou uma das "Trindades" - faz sentido racional, filosófica ou mesmo biblicamente falando.

    Friso que não estou dizendo que o tema não é relevante, e sim que eu não sinto necessidade (pessoal) de debatê-lo demoradamente.

    Abraços aos (as) confraternos (as)

    P.S. aos (as) confraternos (as):

    Não acham que está na hora de termos um blog conjunto, denominado "Confraria dos Pensadores Fora da Gaiola" (poderia ser http://cpfg.blogspot.com), com slogan, banner e tudo o mais, e onde possamos colocar postagens selecionadas de cada blog (uns escolhendo as melhores postagens dos outros e publicando lá)? Vamos nos mexer, moçada!

    ResponderExcluir
  6. P.S do P.S: Este endereço sugerido (http://cpfg.blogspot.com) está disponível no momento!!!

    ResponderExcluir
  7. Edilson meu mano das caminhadas, seja bem vindo!

    Bom, primeiro gostaria de dizer que o "culpado" pelo texto, não é o Marcio, e sim eu Edson Noreda Moura dos Tossan.rsss

    Em segundo lugar, os argumentos do Hubner realmente são convincentes, mas dixa muitas questões sem respostas. É claro que não quero e nunca vou ter todas, mas pelo menos algumas precisam ser esclarecidas, e não jogadas para o "degrau de cima" (mistério)

    Valeu mano pelo comentário!

    Boa caminhada por aí!

    ResponderExcluir
  8. Gresder, sua vóz "ecoa", assim como um símbalo que retine!rsss

    Oras, você sabe muito bem que nossos debates visam somente a reflexão...já te disse: "crer é também pensar"

    Acontece, que a doutrina da trindade, mais se parece com um "politeísmo velado"...e ser for realmente isso, de fato não há problema nenhum, para nós que não somos Judeus.

    Então se não há mal...pra que criticar?

    Se há mal...aponte-me eles..e participe de forma satisfatória nesta sala de pensamentos.

    Crer na trindade, implica exatamente na mesma coisa que crer ou não crer no céu...crer ou não crer no inferno...crer ou não crer na Soberania.

    Ou seja,precisamos saber no que e COMO cremos.

    Outra coisa, saiba que os concilios e os tomos fundados pela igreja primitiva, foram eleborados em debates...não virtuais como os nossos...mas mesmo assim debates.

    Oh! Gresdinho, eu quase nunca debato com ninguem, tu bem sabes...deixe-me exercitar a arte Sofista (do bem é claro).

    Abração Mano!

    Estou sentindo sua falta por aqui..a Marinet ainda não voltou pra você?

    Beijão mano!

    ResponderExcluir
  9. Isaías, jamais interpretaria como grosseria de sua parte, até mesmo se falasse claramente que não concorda com nada do que escrevi...já passamos dessa fase mano...e acredito que a amizade, e amor fraterno que conquistamos na confraria, já está mais do que maduro, para aceitarmos criticas uns dos outros.

    Amo você meu irmão em Cristo..e entendo que não importa (pra você) se Deus é tetra...é tetra!rsss

    Mas para mim..ah importa!

    Não vou me estender no comentário, pois agora que creie coragem para postar este texto...o tempo escapa das mãos como areia fina...então vou só deixar uma frase para refletirmos:

    “Vale ainda salientar que a Bíblia não revela muitos mistérios e não devemos especular, mas existe uma grande diferença entre “Mistérios não Revelados ao Homem” e atentados à lógica. A doutrina da trindade não é um mistério, é um atentado à lógica, especialmente por violentar o mais elementar conceito sobre quantidade: Três deuses constituem um só Deus.”

    Beijão Isaís meu amigo!

    ResponderExcluir
  10. Edson , se Jesus ascendeu aos céus e está a direita de Deus Pai quem ficou para nos consolar? O Espirito Santo? Isso já prova que Deus é triuno . Um abraço Edson do caminho agape.

    ResponderExcluir
  11. EDUARDO MEDEIROS

    Sabe como é né? Não consigo segurar o meu ímpeto. Rsrsrsr
    Mas sabe de uma outra coisa, é que o mano Ednelson já disse que não irá participar deste debate trinitariano, o jeito então é partimos para o “dualismo” (eu e ele), ainda que os outro sigam – e tem que seguir – a linha da temática exposta pelo Edson.

    Mas é claro que eu além dessa troca de idéia com o mano Ednelson, vou participar também da temática do Edson.

    A explicação sobre o grande assombro é realmente inútil, porém proveitosa para exercitarmos os nossos pensamentos.

    Sabe duduzinho que você na questão da divindade de Cristo tem conseguido mexer com meus neurônios pretensamente pensantes, a tal ponto de não mais crer que Jesus fosse Deus, mas um ser humano divino de tão humano.

    Não decidi ainda, estou pensando.................

    Mas mesmo que seja assim, ele continuará a ser a grande imagem, o maior símbolo de deus para nós!!!

    Abraços

    ResponderExcluir
  12. ISAIAS MEDEIROS

    Toda e qualquer discussão teológica e filosófica é valida, mesmo que seja inútil, pois nos faz pensar.
    E o maior objetivo nosso é saber não deus exatamente, mas como e o que os nossos amigos pensam sobre deus.
    É muito mais uma troca de idéias.

    Agora muito bom a sua idéia de um blog da nossa confraria. Gosto da idéia de um escolher as melhores postagens do outro.

    Mas Isaias, eu tentei entrar no endereço sugerido, mas não estou conseguindo, você sabe por quê?

    PS: Manda o convite via e-mail para cada confraterno ser membro.

    Abraços

    ResponderExcluir
  13. GRESDER SIL

    Acontece que as pessoas mudam, e qual é o problema do Edson debater?
    Você esta com medo? Do Edson ou do Noreda?

    O proveito, como bem disse o Edson, é a reflexão, fazermos as pessoas refletirem.

    Gresder o que o sujo esta falando do mal lavado?

    Trocando em miúdos: você já colocou uma postagem falando bem pior que o Edson sobre a trindade, que para você deus só era um, o Pai o único sempiterno, Jesus para você é o filho, que nem sempre existiu, teve um começo, foi gerado por deus, e é menor que deus, já o Espírito Santo, você nem acredita que existe, ou seja, o seu texto é muito, mas mil vezes pior do que o do Edson, e como é que você tem a cara de pau de falar mal da temática que o Edson esta abordando???

    Alias Gresder, você continua crendo e pensando ser assim, ou já mudou de pensamento??

    Não fica bravinho comigo não, mas o puxão de orelha era preciso!!!

    Abraços

    ResponderExcluir
  14. EDILSON TREKKING

    Fala ai meu mano, como é que estão às coisas contigo?

    Obrigado por ter me confundido com o Edson, e ter dito que o texto era meu, pois eu não sou digno de desatar os cadarços do tênis dele, quanto mais escreve da maneira como ele escreve – o cara é um verdadeiro gênio!!!!

    Mas infelizmente não fui eu, quem sabe na próxima, né? Rsrsrsrsr

    Agora me conta direito esta historia de que faz muito tempo que você não lê a bíblia........eu também não. Rsrsrs
    Acontece Edilson, que a palavra de deus já está em nós, recorremos a ela somente por causa de alguns debates, mas já esta gravada em nossos corações!!!

    Abraços mano

    ResponderExcluir
  15. Prezado Ubner:

    você descreve como a teologia fundamentalista clássica entende a trindade. A maioria de nós já passamos desse nível(sem nenhuma pretensão de superioridade, ok?). Queremos pensar além do que está construído.

    Crêr na trindade é apenas isso mesmo: uma crença. Existem outras trindades divinas em outras religiões e são também crenças. Mas se fizermos uma leitura dos sinópticos não com os nossos olhos condicionados, nem com os nossos pré-conceitos evangelicais constrúídos a posteriori, veremos que Jesus nunca disse ser Deus e muito menos a segunda pessoa da trindade!

    Na verdade, todas as passagens que você cita nunca foram pensadas como sendo "Trindade' para quem escreveu. Só mesmo o cristianismo interpretando a posteiori o judaísmo pode ver trindade no pentateuco.

    Mas enfim, como já disse, a trindade é válida como crença cristã de deus. Só não dá para dizer que as Escrituras judaicas monoteístas possuem a exdrúxula ideia de que Iahew era três em um.

    Um grande abraço e espero a sua participação na minha saladopensamento.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Prezado Hubner

    Todo o seu comentário a favor da trindade, não passa de mera interpretação, pois assim como a sua, existem varias, e não se assuste, mas todas com pretensos apoios biblicos.

    Pois a biblia é a mãe de todas as heresias!!!

    Mas com isto não quero de forma alguma dizer ser invalida a sua interpretação, mas apenas mostrar a complexidade da temática e abrir um leque de possibilidades pensantes.

    Isto sem contar que a sua interpretação esta embasada em experiencias subjetivas dos autores biblicos.

    Certeza mesmo só que existe o assombro, o resto não passa de especulação, seja ortodoxa ou heterodoxa – não somente as suas ideias, mas as nossas também, e a de qualquer um.
    Quando o assunto é o supremo Ser, toda e qualquer teologia não passa da inutil e vâ tentativa especulativa de teorias.

    Mas é valido para o nosso próprio ser que tem necessidade de entender para crer, pois se não entendemos como poderemos crer?

    Minha intençao é lhe mostrar as fragilidades de seu argumento, mas também dos nossos.

    O grande problema da trindade é que Jesus nunca disse ser o próprio deus, antes disse ser o filho de deus, isto torna-se mais complexo ainda, quando percebemos nos relatos dos evangelhos, que a sua enfase era em sua humanidade, e não em sua divindade.

    Abraços e volte sempre.

    ResponderExcluir
  17. Ja estava me esquecendo;

    Marcio se ser unicista é pensar assim sou unicista, pois é assim que penso.

    Abraços tri-unos...rsrsrsr

    ResponderExcluir
  18. **MÁRCIO, NOREDA E DEMAIS CONFRATERNOS**

    O endereço da Confraria dos Pensadores Fora da Gaiola é: http://cpfg.blogspot.com/

    Atendendo a sugestão do Márcio, criei o endereço para que não venhamos a perdê-lo e estou enviando os convites para os demais confraternos serem os co-autores do blog.

    Os convites que enviei até o momento foram para os seguintes endereços:

    marcioaf2728@hotmail.com, edsonmourad@yahoo.com.br, glauberbronzeado@uol.com.br, gresdr@gmail.com, eduardo.medeiros.44@gmail.com, jl-jlima@hotmail.com, anapaullinhag@gmail.com, ednelsonuniversal@hotmail.com, jairhome@hotmail.com

    Os que não estiverem nesta lista, por favor enviar seus respectivos emails para poucoalem@ymail.com

    O blog ainda não possui um layout definido, muito menos gadgets e etc. Como é a primeira vez que crio um blog coletivo não sei bem como funcionam as coisas na prática, mas a idéia é todos colaborarem - em todos os sentidos - e depois de a cara dele estiver pronta, cada um escolher as postagens mais interessantes uns dos outros e publicá-las.

    Conto com a divulgação desta mensagem e com o envolvimento dos amigos.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  19. Gresder, Não vou "portar a fecha" e muito menos "aluzar a paga", até porque preciso escrever estas linhas pra você meu amigo...e espero que a leia com atenção.

    É claro que não vou dizer aos quatro ventos no que creio, pois se até com texto tão batido como este sobre a trindade, vocÊ já está se escandalizando, imagina só se eu revelar agora (neste momento), em como creio na "trindade".

    Sei que você se desespera em desvendar os pensamentos dos outros confraternos, mas aviso-lhe: Não conseguirá nunca, jamais, descobrir como eu penso, pois Passei muito tempo desenvolvendo uma nova tese sobre a religião, e afirmo que muitos, assim como você, ainda não têm estrutura emocional para digerir minhas ideias...me desculpe, mas é a verdade.rsss

    Sei que gosta de história, portanto, vou escrever uma resenha para você e para o Hubner, um pouco para o Jair, e talvez..se ele quiser ler, para meu mano querido Edinelson.

    Não deixem de ler, pois este adendo, complementa meu texto!

    continua....

    ResponderExcluir
  20. Como bem já foi dito, por você mesmo Gresder, eu não costumo entrar neste tipo de discussão, mas algumas coisas que foram colocadas me fizeram ter vontade de escrever…

    Mas antes, preciso voltar um pouco no tempo, para clarear as ideias de alguns dos participantes "novatos" desta sala.

    Muitos dizem que os textos apócrifos foram escritos, em sua maioria, cerca de quinhentos anos após os evangelhos canônicos e que eles não desmentiam os mesmos. Pois bem, essa informação não procede. Na verdade, os evangelhos canônicos também não foram contemporâneos de Jesus.

    Pesquisas recentes apontam para o fato de que foram escritos cerca de trezentos anos depois de Cristo e sua autoria é duvidosa, ou seja, não foram escritos pelos apóstolos que supostamente os assinam… Deste modo, é correto afirmar que, não apenas os evangelhos apócrifos, mas todos os evangelhos (e olha que na época circulavam mais de trezentos evangelhos diferentes) datam mais ou menos do mesmo período histórico.

    Há também muitas discrepâncias entre os textos, sendo absolutamente incorreto afirmar que os textos apócrifos assinalam os evangelhos canônicos… O Evangelho de Tomé (ou Thomas), por exemplo, praticamente condena a construção de templos religiosos (igrejas) para se adorar a Deus e é sabido que a cerca de 300 D.C. havia um sem-número de seitas cristãs das quais hoje já nem se tem notícia.

    Os textos canônicos que ainda nos tempos de hoje compõem a Bíblia, devem-se ao imperador romano Constantino, que, sabe-se, nunca foi cristão. Constantino recebeu o batismo cristão apenas após sua morte e, mesmo assim, foi sepultado de acordo com os preceitos da religião pagã, da qual era sumo-sacerdote.

    O Cristianismo foi adotado como religião oficial do Império Romano apenas como uma estratégia política do imperador e, assim, recebeu muitas distorções oriúndas de religiões pagãs, como é o caso da Santíssima Trintade…
    Para a grande maioria dos religiosos cristãos, essa constatação pode ser dolorosa, afinal, por mais que custe reconhecer, a fé individual se move muito pelo emocional… e talvez seja esse o principal motivo de tantos cristãos alegarem ser possível compreender sua crença somente a partir da fé. Mas muitos dos dogmas considerados pilares do cristianismo e da fé cristã surgiram somente para contrapôr datas marcantes de antigas religiões há muito desaparecidas.

    O conceito da divindade trina, por exemplo, não é e nunca foi hebreu; mas ele é muito familiar aos antigos celtas, galeses, bretãos e até mesmo aos gregos. O natal, também, não é uma festividade originalmente cristã… Mas isso é outra história.
    Agora, também é verdade que cada um acredita naquilo que quer e a fé individual diz respeito apenas ao indivíduo. Nós sabemos que o som do trovão não vem do martelo de Thor, mas se alguém quiser acreditar no contrário jamais lhe convenceremos de que está errado. E essa insistência, de fato, não levará nenhuma das partes a lugar algum.

    Uma proposta, no entanto, faz-se necessária… É muito feio quando um religioso nega uma evidência apenas porque esta contradiz sua fé. Esse ato, estranhamente comum no campo religioso, distribui a impressão de que se absorve apenas aquilo que é conveniente, renegando-se todo o resto… E quem realmente está perdendo com isso? Talvez seja mais interessante repensar, questionar e, por fim, reconstruir os pilares da fé cristã.

    Continua....

    ResponderExcluir
  21. Continuando....mas agora é para o Hubner que eu escrevo:

    Hubner meu querido irmão, o mundo mudou, as pessoas mudaram e hoje estamos interagindo com uma realidade muito diferente daquela que se apresentava três mil anos atrás. Se pessoas amadurecem, por que religiões não podem fazer a mesma coisa? (me responda por favor)

    No apogeu da Idade das Trevas, Galileu Galilei propôs que a Terra não era, como se pensava até então, um corpo estelar plano, mas tinha forma arredondada. A Igreja o teria queimado vivo se ele não desmentisse essa proposta… Proposta tal que alguns séculos mais tarde veio a se confirmar:

    A Terra era realmente arredondada e ainda era ligeiramente achatada nos polos. Daí a pergunta:

    por que a Igreja quis tão avidamente negar a proposta de Galilei?

    Naturalmente, disseram que essa informação não constava na Bíblia… (bíblia esta que você mainipula com maestria). Mas também, nem podia, pois a crença de que a Terra era plana também nunca foi do povo hebreu… Essa crença era grega. O clero recusou a descoberta, temendo que os pilares da Igreja ruíssem, mas tempos depois foram obrigados a aceitar a verdade… E a Igreja ainda está de pé.

    Isso nos deixa uma lição:

    Se a fé é verdadeira, ela nunca será destruída pela verdade… Mas a verdade pode renová-la, deixá-la ainda melhor. Pensem nisso!

    Abraços a todos.

    ResponderExcluir
  22. Visitem a nossa comunidade virtual, nosso blog coletivo:

    Confraria dos Pensadores Fora da Gaiola

    Abraços.

    ResponderExcluir
  23. Márcio, Noreda, Edson....

    Quando nos impomos a falar da Trindade, nos constituímos em uma tarefa de difícil e extensa execução.

    O principal motivo para esta dificuldade, se deve ao fato de que a Trindade não pode ser satisfatoriamente apreendida pela razão. O que para mim, é uma doutrina ILÓGICA.

    Coisa que já não se assimila em uma ciência exata, como a Matemática....rs..

    Um equívoco dos opositores da doutrina da Trindade de Deus, consiste em tentar captá-la pela RAZÃO.

    Não há dúvidas de que a Unidade de Deus pode ser admitida, sem resistências, pela razão humana, mas a Trindade de Deus só se assentará no coração humano por meio da revelação.

    A palavra “Trindade” não pode ser encontrada na Bíblia.
    Existe informação de que ela foi usada, muito provavelmente, pela primeira vez, por Teófilo de Antioquia (181 d.C.) que a usou na forma grega, trias, e por Tertuliano (220 d.C.) que a usou na forma latina, trinitas.

    No Novo Testamento, independente da existência da designação em si, é que temos a doutrina da Trindade de Deus tratada explicitamente.

    Todavia, ela é uma realidade mais antiga.

    Mas para mim, Deus não é Uni, nem Tri, nem Bi....Deus é amor, Deus é paz, Deus é esperança...e assim será para quem nEle crê!

    Beijos à CPFG.

    Parabéns Isaías pela sensacional idéia do novo blog para nós "Pensadores"..

    ResponderExcluir
  24. Marcio.

    Sei que é muito dificil entender esta doutrina, não pense que estou dando uma resposta evasiva, Mas devo dizer que existe varios erros nesta doutrina, seja na sua construção ou na sua interpretação.

    A discussão é valida e tem como objetivo exclarecer nossas duvidas, Mas Como percebeu, aceito esta doutrina, apenas para tentar explicar o relacionamento Deus homem então faço uma alt-critica ao meu comentario, concordando com você ao dizer "Que confusão".

    Me lembro quando conversavamos pessoalmente sobre o assunto o Edson disse uma frase que ficou marcada na minha mente, á saber: "Nem os defensores desta doutrina conseguem explicá-la". O mais importante é que todas estas coisas não afetam o carater de Deus do Filho e Espirito Santo, temos apenas que melhorar a nossa percepção.

    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  25. Olá Édson.
    Foi uma enorme alegria poder decorrer meus olhos para sua narração acerca da "Santissima Trindade".Nunca consequi compreender como que três corpos ocupavam o mesmo lugar no espaço, contrariando a Leia a física!!!!E fui a fundo nas pesquisas para desmistificar o que meu raciocínio não aceitava, e vale a pena!
    Parabéns mesmo pela colocação de suas palavras!

    ResponderExcluir
  26. MICHELLE

    Em nome do meu sócio e amigo Edson Moura, eu quero lhe agradecer pelas suas sabias palavras, pois assim como você, nós também não compreendemos a doutrina da trindade.

    Mais uma vez, muito obrigado pela sua visita.

    Abraços

    ResponderExcluir
  27. Em Roma no período do Novo Testamento, as palavras “divino” e “filho de deus”, e mesmo “Deus” eram usadas de modo mais ou menos intercambiável. Heróis eram frequentemente chamados de divinos. Em Homero e, de Augusto em diante, ‘divino’ tornou-se um termo fixo no culto imperial, o ‘Cesar divino’. Na outra ponta do mesmo espectro, o termo poderia simplesmente significar ‘pio’, ‘piedoso’. Mais uma vez descobrimos que os heróis eram às vezes chamados de ‘deuses’; e que ‘deus’ era um título comum de imperadores e reis a partir dos tempos helenísticos – poderíamos pensar, por exemplo, em Antíoco Epífanes (Deus manifesto).
    Alguns heróis legendários do mito grego eram chamados filhos de Deus – eram em particular Dionísio e Hércules eram filhos de Zeus com mães mortais. Governantes orientais, especialmente egípcios, eram chamados filhos de Deus. Sobretudo os Ptolomeus do Egito reivindicaram o título de “filho de Hélio” a partir do século lV aC, e no tempo de Jesus a expressão “filho de Deus” (huios theou) era muito utilizada com referência a Augusto.

    Também dos filósofos famosos, como Pitágoras e Platão, dizia-se às vezes que foram gerados por um Deus (Apolo). E na filosofia estoica pensava-se que Zeus o ser supremo, era o pai de todos os homens.

    Jesus como Deus nasce dentro desse contexto. Portanto para pensarmos em trindade, devemos primeiro discutir sobre a divindade de Jesus.

    Um abraço

    ResponderExcluir